Últimas Notícias
Capa / COLUNISTAS / Colunista Zé de Melo – Afinal, como votar?

Colunista Zé de Melo – Afinal, como votar?

AFINAL, COMO VOTAR?

No Movimento Colônia e Cidadania (MCC), esta discussão tem sido muito presente. VOTAR é um dever de extrema importância. Por meio do voto cada indivíduo está, de certa forma, definindo as condições de vida de si, do povo e, em parte, daqueles que ainda virão. O seu voto reflete na saúde, na segurança, na educação, na agricultura, na cultura e nas vidas de todos e de todas.

O ato de votar pode ser expressão dos desejos e sonhos de pobres, de cabanos, negros, brancos, índios, LGBTs e crianças de terem seus direitos garantidos.

Mas, afinal, neste tempo de escolha de representantes, os/as candidatas sempre dizem que estão do lado da maioria sofrida, o lado do povo. Como separar o joio do trigo, no momento de votar?

Os critérios que seguem ajudarão os/as eleitores a melhor escolherem os seus representantes. Mesmo assim, uma certeza para não se errar em cem por cento, não existe. Candidatos e candidatas não têm em suas faces a mensagem de que são gente pautada pelos interesses das maiorias e que assim vão continuar na sua ação política. Mas, que critérios ajudam a escolher?

  1. informe-se do passado daquele seu candidato ou candidata e veja se ele esteve sempre nas lutas do povo ou de seus interesses. Veja se ele sempre defendeu o interesse coletivo ou é só nesse momento eleitoral que ele aparece com tal disposição;
  2. veja se o que ele promete e defende hoje, e, se sempre esteve defendendo antes. Veja também se a sua promessa é plausível de ser realizada. Se não for, esse candidato está mentindo e não merece o seu voto;
  3. conheça a sigla partidária do candidato pois quase todos são cordeiros nas épocas de eleições e, depois, viram lobos;
  4. finalmente, veja se ele nunca se envolveu nas falcatruas, nas safadezas, nos roubos, nas máfias da política, nas máfias de colarinho branco, se não se vende ou compra votos em tempos eleitorais. Só vote em ficha limpa.

Assim, será possível errar menos. Nada, contudo, garante que aquele político de boas intenções vai continuar até o fim de seu mandato com essa disposição. Afinal, a democracia representativa e este processo eleitoral são o mesmo que passar um cheque assinado em branco para o candidato ou candidata.  NESTE ANO, BOA ELEIÇÃO PARA TODOS E TODAS. CADA VEZ, É PRECISO TENTAR ERRAR MENOS.

 

            José Francisco de Melo Neto (zé de melo neto)

Professor Titular e Pesquisador da UFPB

Membro do Movimento Colônia e Cidadania – MCC

Membro da Academia de Cultura de Colônia – ACCL

Sobre Direto da Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Por Direto da Redação

Todos (70)