Últimas Notícias
Capa / COLUNISTAS / Manuilson: discrição sim

Manuilson: discrição sim

         A chegar novamente na Prefeitura, ele tornar-se-á a maior liderança política registrada nessa cidade

DSC_1287Pude conhecer o ex-prefeito Manuilson Andrade, recentemente, no ambiente da casa do meu tio Manoel, conhecido por Manoel Ratinho, um nome carinhoso que detém, por mero acaso. Ambos são vizinhos. Estando eu a jantar na casa do Manoel, também chegou o ex-prefeito.

 Foi um papo que durou toda a janta e eu a tomar conhecimento de sua campanha. Algo semelhante como a conversa que já tive com o também candidato Meilton, em sua própria casa, a seu convite. Considero que foi um papo amigável, diante do ex-prefeito, do qual só conhecia a fama de ter governado Colônia, por praticamente três mandatos. A chegar novamente na Prefeitura, ele tornar-se-á a maior liderança política registrada nessa cidade. Nenhum dos anteriores líderes realizou tamanha façanha, seja Alfredo Cavalcanti, Antônio Lins, Zequinha ou mesmo o usineiro Zé Lessa. E isto me pareceu estar em suas metas de vida.

Manuilson falou de sua campanha, de seus projetos, de suas possíveis alianças e, em especial, conversou sobre os bastidores da campanha existente mesmo que não oficial. Afinal, não é tempo da política partidária. Ele mostrou que vem tecendo calmamente o seu retorno à Prefeitura. Falei que qualquer prefeito que assumir careceria da participação das pessoas na gestão de um governo municipal. A gestão tem sido muito privativa de um pequeno grupo de amigos do eleito. Estou falando da conquista para a cidadania das pessoas, algo que o gestor público pode muito contribuir ao processo, promovendo, por exemplo, o planejamento participativo com a população ou o orçamento participativo. As pessoas podem definir as prioridades da cidade. Isto nunca foi bicho do outro mundo. Muitos prefeitos e alguns governadores já andam fazendo no País afora.

Falei também dos baixos índices educacionais, de saúde e de sustentabilidade do município. Isto exigirá um rigor maior para com o planejamento da cidade. Esta prática é inexistente em toda a história dos governantes que já passaram pela cidade, inclusive o dele próprio. Só com muita determinação é que Colônia poderá apresentar-se como liderança da região, contudo, quando superar esses indicadores; só quando Colônia deixar de estar entre as 100 piores cidades do Brasil para se viver, segundo dados do IBGE. Um governante que se propuser a dirigir a política da cidade deverá necessariamente entender a importância da superação desses indicadores e projetar a cidade para fora, inclusive, do estado. São indicadores históricos do município e da região, cabendo a todos os gestores que passaram pela gerência pública municipal a sua parcela de contribuição. Nesta temática, todos os gestores têm sido “pardos”.

O Manuilson demonstrou conhecimento desses índices. Está fazendo política nos bastidores. Com esse estilo de fazer política, com discrição sim na construção de sua plataforma eleitoral, mas com muita determinação para enfrentar seus opositores e os tantos problemas que continuam no presente, deixados por vários outros gestores, inclusive, por ele mesmo.

 

 

José Francisco de Melo Neto (zé de melo neto)

Professor Titular e Pesquisador da UFPB

Membro do Movimento Colônia e Cidadania – MCC

Membro da Academia de Cultura de Colônia – ACCL

Sobre Direto da Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Por Direto da Redação

Todos (70)